Žižek: Monitorar e punir? Sim, por favor!

xipingao

Muitos comentaristas liberais e esquerdistas observaram como a epidemia do coronavírus tem servido para justificar e legitimar medidas de controle e regulamentação das pessoas, medidas que, até agora, eram impensáveis ​​em uma sociedade democrática ocidental. O bloqueio total da Itália não é o “sonho erótico” do totalitarismo? Não é de se admirar que (pelo menos do jeito que está agora) a China, que já praticou amplamente modos de controle social digitalizado, provou estar mais bem equipada para lidar com epidemias catastróficas. Isso significa que, pelo menos em alguns aspectos, a China é o nosso futuro? Estamos nos aproximando de um estado de exceção global? As análises de Giorgio Agamben ganharam nova atualidade?

Não é de surpreender que o próprio Agamben tenha chegado a essa conclusão: ele reagiu à epidemia do coronavírus de uma maneira radicalmente diferente da maioria dos comentaristas. Ele deplorou as “medidas de emergência frenéticas, irracionais e absolutamente injustificadas adotadas para uma suposta epidemia de coronavírus”, que é apenas outra versão da gripe, e perguntou: “Por que a mídia e as autoridades fazem todo o possível para criar um clima de pânico, provocando assim um verdadeiro estado de exceção, com severas limitações de movimento e suspensão da vida cotidiana e atividades de trabalho para regiões inteiras? ”

Agamben vê a principal razão dessa “resposta desproporcional” na “tendência crescente de usar o estado de exceção como um paradigma de governo normal”. As medidas impostas permitem ao governo limitar seriamente nossas liberdades por decreto executivo: “É evidente que todas essas restrições são desproporcionais para tratar de uma ameaça que, de acordo com a NRC, é uma gripe normal, não muito diferente das que nos afetam todo ano./…/ Devemos dizer que, uma vez que o terrorismo for esgotado como justificativa para medidas excepcionais, a invenção de uma epidemia poderia oferecer o pretexto ideal para expandir essas medidas para além de qualquer limite”. A segunda razão é “O estado de medo que nos anos recentes tem sido difundido na consciência individual e que se traduz em uma necessidade real por estados de pânico coletivo, nos quais a epidemia uma vez mais oferece o pretexto ideal.”

Agamben está descrevendo um aspecto importante do funcionamento do controle estatal nas epidemias em andamento. Mas há questões que permanecem em aberto: por que o poder estatal estaria interessado em promover esse pânico, que é acompanhado por desconfiança no poder estatal (“eles são impotentes, não estão fazendo o suficiente…”) e que perturbam a reprodução normal do capital? É realmente do interesse do capital e do poder estatal desencadear uma crise econômica global para revigorar seu reinado? São claros os sinais de que, não apenas as pessoas comuns, mas também os poderes estatais estão em pânico, plenamente conscientes de não serem capazes de controlar a situação – esses sinais são realmente apenas um estratagema?

A reação de Agamben é a forma extrema de uma postura generalizada da esquerda de ler o “pânico exagerado” causado pela propagação do vírus como uma mistura de exercícios de poder de controle social e elementos de racismo total (“culpar a natureza ou a China”). No entanto, essa interpretação social não faz desaparecer a realidade da ameaça. Essa realidade nos obriga a reduzir efetivamente nossas liberdades? Quarentenas e medidas similares, é claro, limitam nossa liberdade, e novos Assanges são necessários aqui para revelar seus possíveis usos indevidos. Mas a ameaça de infecção viral também deu um tremendo impulso a novas formas de solidariedade local e global, além de deixar clara a necessidade de controle sobre o próprio poder. As pessoas têm razão em responsabilizar o poder do Estado: vocês têm o poder, agora mostrem o que podem fazer!

“A China introduziu medidas que provavelmente a Europa Ocidental e os EUA não iriam tolerar, talvez em seu próprio prejuízo. Para ser franco, é um erro interpretar reflexivamente todas as formas de detecção e modelagem como ‘vigilância’ e governança ativa como ‘controle social’. Precisamos de um vocabulário de intervenção diferente e com mais nuances. ” [1]

Tudo depende desse “vocabulário mais nuançado”: ​​as medidas necessárias a uma epidemia não devem ser automaticamente reduzidas ao paradigma usual de vigilância e controle propagado por pensadores como Foucault. O que temo hoje mais do que as medidas aplicadas pela China (e Itália e etc.) é que elas sejam aplicadas de maneira que não funcione para conter a epidemia, enquanto as autoridades manipularão e ocultarão os dados verdadeiros.

Tanto a “alt-right” quanto a esquerda “fake” recusam-se a aceitar toda a realidade da epidemia, cada uma diluindo-a em um exercício de redução social-construtivista, ou seja, denunciando-a em nome de seu significado social. Trump e seus partidários insistem repetidamente que a epidemia é uma conspiração dos democratas e da China para fazê-lo perder as próximas eleições, enquanto alguns da esquerda denunciam as medidas propostas pelos aparatos estatais e de saúde contaminados pela xenofobia e, portanto, insistem em apertar as mãos e etc. tal postura perde de vista o paradoxo: não apertar as mãos e ficar isolado quando necessário É a forma atual de solidariedade.

Quem hoje será capaz de dar um aperto de mão e abraçar? Os privilegiados. O Decameron de Boccaccio é composto por histórias contadas por um grupo de sete jovens e três jovens abrigados em uma vila isolada nos arredores de Florença para escapar da praga que afligia a cidade. A elite financeira se retirará para zonas isoladas e se divertirá contando histórias no estilo Decameron. (Os ultra-ricos já estão lotando aviões particulares para pequenas ilhas exclusivas no Caribe.) Nós, pessoas comuns, que precisaremos viver com vírus, somos bombardeados pela fórmula repetidamente interminável “Sem pânico! ”… E então chegam todas as notícias que não podem deixar de desencadear o pânico. A situação se assemelha à que me lembro da minha juventude em um país comunista: quando funcionários do governo garantiam ao povo que não havia motivo para entrar em pânico, todos nós tomavámos essas garantias como sinais claros de que eles mesmos estavam em pânico.

Mas o pânico não é uma maneira adequada de enfrentar uma ameaça real. Quando reagimos em pânico, não levamos a ameaça a sério; nós, pelo contrário, a banalizamos. Pense em quão ridículo é comprar uma quantidade excessiva de rolos de papel higiênico: como se ter papel higiênico suficiente importasse em meio a uma epidemia mortal …. Então, qual seria uma reação apropriada à epidemia de coronavírus? O que devemos aprender e o que devemos fazer para enfrentá-lo seriamente?

Quando sugeri que a epidemia de coronavírus poderia dar um novo impulso à vida do comunismo, minha reivindicação foi, como esperado, ridicularizada. Embora pareça que uma forte abordagem da crise pelo Estado chinês tenha funcionado – pelo menos funcionou muito melhor do que o que está acontecendo agora na Itália -, a velha lógica autoritária dos comunistas no poder também demonstrou claramente suas limitações. Uma delas era que o medo de trazer más notícias para os que estão no poder (e para o público) supera os resultados reais. Esta foi a razão pela qual aqueles que primeiro informaram sobre um novo vírus foram presos e há relatos de que algo semelhante está acontecendo agora:

“A pressão para que a China volte ao trabalho após o desligamento do coronavírus está ressuscitando uma antiga tentação: manipular dados para mostrar aos altos funcionários o que eles querem ver. Esse fenômeno está ocorrendo na província de Zhejiang, um centro industrial na costa leste, na forma de uso de eletricidade. Pelo menos três cidades estabeleceram metas de fábricas locais para atingir o consumo de energia, porque eles estão usando os dados para mostrar um ressurgimento da produção, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Isso levou algumas empresas a operar máquinas, mesmo quando suas fábricas permanecem vazias, disseram as pessoas. ”

Também podemos adivinhar o que acontecerá quando os detentores do poder perceberem essa trapaça: os gerentes locais serão acusados ​​de sabotagem e severamente punidos, reproduzindo assim o ciclo vicioso de desconfiança …. Será necessário aqui um Julian Assange chinês para expor ao público esse lado oculto de como a China está lidando com a epidemia. Então, se este não é o comunismo que tenho em mente, o que quero dizer com comunismo? Para obtê-lo, basta ler as declarações públicas da OMS. Aqui está uma recente :

“O chefe da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse na quinta-feira que, embora as autoridades de saúde pública em todo o mundo tenham a capacidade de combater com sucesso a propagação do vírus, a organização está preocupada com o fato de que em alguns países o nível de compromisso político não corresponde ao nível de ameaça. ‘Essa é uma situação seria. Não é hora de desistir. Não é hora de desculpas. Este é um momento para retirar todas as paradas. Os países planejam cenários como esse há décadas. Agora é a hora de agir sobre esses planos ‘, disse Tedros. ‘Esta epidemia pode ser evitada, mas apenas com uma abordagem coletiva, coordenada e abrangente que envolva todo o mecanismo do governo’. ”

Pode-se acrescentar que essa abordagem abrangente deve ir muito além da maquinaria de governos isolados: deve abranger a mobilização local de pessoas fora do controle estatal, bem como coordenação e colaboração internacionais fortes e eficientes. Se milhares forem hospitalizados por problemas respiratórios, será necessário um número muito maior de máquinas respiratórias e, para obtê-las, o estado deve intervir diretamente da mesma maneira que intervém em condições de guerra quando milhares de armas são necessárias. E deve contar com a cooperação de outros estados. Como em uma campanha militar, as informações devem ser compartilhadas e os planos totalmente coordenados – isso é tudo o que quero dizer com o “comunismo” necessário hoje, ou, como Will Hutton colocou: “Hoje, uma forma de globalização não regulamentada e de livre mercado, com sua propensão a crises e pandemias, certamente está morrendo. Mas outra forma que reconhece a interdependência e a primazia da ação coletiva baseada em evidências está nascendo. “O que agora ainda predomina é a posição de “cada país por si só”: “existem proibições nacionais à exportação de produtos-chave , como suprimentos médicos, com os países recorrendo à sua própria análise da crise e, em meio à escassez localizada e desorganização, táticas primitivas de contenção .”

A epidemia de coronavírus não sinaliza apenas o limite da globalização do mercado, mas também o limite ainda mais fatal do populismo nacionalista, que insiste na soberania do Estado. Acabou com “América (ou quem quer que seja) primeiro!” Já que os Estados Unidos podem ser salvos apenas através da coordenação e colaboração globais. Eu não sou utópico aqui; não apelo a uma solidariedade idealizada entre as pessoas. Pelo contrário, a presente crise demonstra claramente como a solidariedade e a cooperação globais são do interesse da sobrevivência de cada um de nós, que é a única coisa racionalmente egoísta a se fazer. E não é apenas o coronavírus: a própria China sofreu uma gigantesca gripe suína meses atrás e agora está ameaçada pela perspectiva de uma invasão de gafanhotos. Além disso, como Owen Jones observou, a crise climática mata muito mais pessoas em todo o mundo que o coronavírus, mas não há pânico sobre isso…

Do ponto de vista vitalista cínico, seria tentador ver o coronavírus como uma infecção benéfica, que permite à humanidade livrar-se dos velhos, fracos e doentes, como arrancar uma erva podre e, assim, contribuir para a saúde global. A ampla abordagem comunista que estou defendendo é a única maneira de realmente deixarmos para trás um ponto de vista vitalista tão primitivo. Sinais de cerceamento da solidariedade incondicional já são discerníveis nos debates em andamento, como na nota a seguir sobre o papel dos “três Reis Magos” se a epidemia der uma virada mais catastrófica no Reino Unido: “Os pacientes do NHS podem ter seus tratamentos negados durante um grave surto de coronavírus na Grã-Bretanha se as unidades de terapia intensiva estiverem lutando para lidar com isso, alertaram os médicos veteranos. Sob o chamado protocolo dos “três homens sábios”, três consultores seniores em cada hospital seriam forçados a tomar decisões sobre cuidados de racionamento, como ventiladores e camas, caso os hospitais estivessem sobrecarregados com os pacientes. ” Em que critérios os “três Reis Magos” se baseiam? Sacrificar os mais fracos e os mais velhos? E essa situação não abrirá espaço para imensa corrupção? Tais procedimentos não indicam que estamos nos preparando para adotar a lógica mais brutal da sobrevivência do mais apto? Então, novamente, a escolha final é essa ou algum tipo de comunismo reinventado.

Mas as coisas vão muito mais fundo que isso. O que acho especialmente irritante é como, quando nossa mídia anuncia algum fechamento ou cancelamento, eles geralmente adicionam uma limitação temporal fixa: a fórmula “as escolas serão fechadas até 4 de abril”. A grande expectativa é que, depois do pico que deve chegar rápido, as coisas voltem ao normal. Nesse sentido, eu já fui informado de que um simpósio universitário acabou de ser adiado para setembro … O problema é que, mesmo quando a vida voltar ao normal, não será a mesma normal com a qual estávamos acostumados antes do surto: coisas com as quais estávamos acostumados como parte de nossa vida cotidiana não serão mais um dado adquirido; teremos que aprender a viver uma vida muito mais frágil, com ameaças constantes à espreita logo atrás da esquina.

Por esse motivo, podemos esperar que as epidemias virais afetem nossas interações mais elementares com outras pessoas e objetos ao redor, inclusive em nosso próprio corpo: evitar tocar em coisas que podem ser (invisivelmente) “sujas”, não tocar em ganchos, não sentar em banheiros públicos ou em bancos em locais públicos, evitar abraçar os outros e apertar as mãos… E ter cuidado ao controlar seu próprio corpo e seus gestos espontâneos: não tocar no nariz nem esfregar os olhos – enfim, não brincar consigo mesmo. Portanto, não são apenas o estado e outras agências que nos controlarão; devemos aprender a nos controlar e nos disciplinar! Talvez apenas a realidade virtual seja considerada segura e o movimento livre em um espaço aberto seja reservado para as ilhas pertencentes aos ultra-ricos.

Mas mesmo aqui, no nível da realidade virtual e da Internet, devemos lembrar que, nas últimas décadas, os termos “vírus” e “viral” foram usados ​​principalmente para designar vírus digitais que estavam infectando nosso espaço na web e dos quais não tínhamos consciência, pelo menos até que seu poder destrutivo (por exemplo, de destruir nossos dados ou nosso disco rígido) fosse liberado. O que vemos agora é um retorno maciço ao significado literal original do termo: as infecções virais funcionam de mãos dadas nas duas dimensões, real e virtual.

Então, teremos que mudar toda a nossa postura em relação à vida, em relação à nossa existência como seres vivos, entre outras formas de vida. Em outras palavras, se entendermos “filosofia” como o nome de nossa orientação básica na vida, teremos que experimentar uma verdadeira revolução filosófica. Talvez possamos aprender algo sobre nossas reações à epidemia de coronavírus com Elisabeth Kübler-Ross que, em On Death and Dying , propôs o famoso esquema dos cinco estágios de como reagimos ao saber que temos uma doença terminal: negação (simplesmente uma recusa em se aceitar o fato: “Isso não pode estar acontecendo, não comigo.”); raiva (que explode quando não podemos mais negar o fato: “Como isso pode acontecer comigo?”); barganha (a esperança de que, de alguma forma, podemos adiar ou diminuir o fato: “Apenas deixe-me viver para ver meus filhos se formarem.”); depressão (desinvestimento libidinal: “vou morrer, então por que me preocupar com alguma coisa?”); aceitação (“Eu não posso lutar contra isso, mas posso me preparar para tal.”). Mais tarde, Kübler-Ross aplicou esses estágios a qualquer forma de perda pessoal catastrófica (desemprego, morte de um ente querido, divórcio , dependência química ) e também enfatizou que eles não necessariamente vêm na mesma ordem, nem são todos os cinco estágios vivenciados por todos os pacientes.

Pode-se discernir os mesmos cinco estágios sempre que uma sociedade é confrontada com alguma ruptura traumática. Vamos assumir a ameaça da catástrofe ecológica: primeiro, tendemos a negá-la (é apenas paranoia, o que acontece são oscilações usuais nos padrões climáticos); depois vem a raiva (das grandes corporações que poluem nosso meio ambiente, do governo que ignora os perigos) seguido de barganha (se reciclarmos nossos resíduos, podemos ganhar algum tempo; além disso, também há bons aspectos: podemos cultivar vegetais da Groenlândia, os navios poderão transportar mercadorias da China para os EUA muito mais rapidamente na rota norte, novas terras férteis estão se tornando disponíveis no norte da Sibéria devido ao derretimento do permafrost …), depressão (é tarde demais, estamos condenados…) E, finalmente, aceitação: estamos lidando com uma ameaça séria e teremos que mudar todo o nosso modo de vida!

O mesmo vale para a crescente ameaça do controle digital sobre nossas vidas: primeiro, tendemos a negá-lo (é um exagero, uma paranoia esquerdista, nenhuma agência pode controlar nossa atividade diária …), depois explodimos de raiva (as grandes empresas e agências estatais secretas nos conhecem melhor do que nós mesmos e usam esse conhecimento para nos controlar e manipular), seguida de barganha (as autoridades têm o direito de procurar terroristas, mas não de infringir nossa privacidade …), depressão (é tarde demais, nossa privacidade se perdeu, o tempo das liberdades pessoais acabou) e, finalmente, a aceitação: o controle digital é uma ameaça à nossa liberdade; devemos conscientizar o público de todas as suas dimensões e lutar contra isso!

Mesmo no domínio da política, o mesmo vale para aqueles que estão traumatizados pela presidência de Trump: primeiro, houve negação (não se preocupe, Trump está apenas postulando, nada realmente mudará se ele tomar o poder), seguido por raiva (das forças das trevas que lhe permitiram tomar o poder, dos populistas que o apoiam e representam uma ameaça à nossa substância moral …), barganha (ainda não está tudo perdido, talvez Trump possa ser contido, vamos tolerar alguns de seus excessos …) , depressão (estamos a caminho do fascismo, a democracia nos EUA está perdida) e a aceitação: há um novo regime político nos EUA, os bons e velhos tempos da democracia americana acabaram, vamos enfrentar o perigo e planejar com calma como podemos superar o populismo de Trump …

Nos tempos medievais, a população de uma cidade afetada reagiu aos sinais da praga de maneira semelhante: primeiro negação, depois raiva (pelas nossas vidas pecaminosas pelas quais somos punidos, ou mesmo pelo Deus cruel que a permitiu), depois barganha (não é tão ruim, vamos apenas evitar aqueles que estão doentes…), depois depressão (nossa vida acabou …), então, curiosamente, orgias (já que nossas vidas terminaram, vamos tirar disso todos os prazeres ainda possíveis – beber, transar …) e, finalmente, aceitação: aqui estamos, vamos nos comportar o máximo possível, como se a vida normal continuasse …

E não é assim também que estamos lidando com a epidemia de coronavírus que explodiu no final de 2019? Primeiro, houve uma negação (nada de grave está acontecendo, alguns indivíduos irresponsáveis ​​estão apenas espalhando pânico); depois, raiva (geralmente de forma racista ou antiestatal: os chineses sujos são culpados, nosso estado não é eficiente …); a seguir vem a barganha (OK, existem algumas vítimas, mas é menos grave que o SARS, e podemos limitar o dano …); se isso não funcionar, a depressão surge (não vamos nos enganar, estamos todos condenados). Mas como seria a aceitação aqui? É um fato estranho que a epidemia mostre uma característica comum à última rodada de protestos sociais (na França, em Hong Kong …): eles não explodem e depois desaparecem; ao contrário, eles permanecem aqui e apenas persistem, trazendo medo e fragilidade permanentes às nossas vidas. Mas essa aceitação pode tomar duas direções. Pode significar apenas a re-normalização da doença: OK, as pessoas estarão morrendo, mas a vida continuará, talvez haja até alguns efeitos colaterais bons …. Ou a aceitação pode (e deve) nos impulsionar a nos mobilizar sem pânico e ilusões, para agir em solidariedade coletiva.     

O que devemos aceitar, o fato com que devemos nos reconciliar, é a existência de uma subcamada de vida, os mortos-vivos, a estupidamente repetitiva vida pré-sexual dos vírus, que sempre estiveram aqui e que sempre estarão conosco, como uma sombra, representando uma ameaça à nossa sobrevivência, explodindo quando menos esperamos. E em um nível ainda mais geral, as epidemias virais nos lembram a contingência e a falta de sentido de nossas vidas: não importa quão magníficos edifícios espirituais nós, humanidade, realizemos, uma contingência natural estúpida como um vírus ou um asteroide pode acabar com tudo…. Sem mencionar a lição da ecologia, que é a de que nós, humanidade, também podemos contribuir sem saber para esse fim.

Para esclarecer esse ponto, deixe-me citar descaradamente uma definição popular: vírus é “qualquer um dos vários agentes infecciosos, geralmente ultramicroscópicos, que consistem em ácido nucleico, RNA ou DNA, em um casco de proteína: infectam animais, plantas e bactérias e se reproduzem apenas nas células vivas: os vírus são considerados como sendo unidades químicas não-vivas ou, às vezes, como organismos vivos. ” Essa oscilação entre a vida e a morte é crucial: os vírus não estão vivos nem mortos no sentido usual desses termos. Eles são os mortos-vivos: um vírus está vivo devido ao seu desejo de se replicar, mas é um tipo de vida de nível zero, uma caricatura biológica, não tanto da pulsão de morte, mas sim da vida no seu nível mais estúpido de repetição e multiplicação…. No entanto, os vírus não são uma forma elementar de vida, da qual se desenvolveram formas mais complexas. Eles são puramente parasitários; eles se replicam através da infecção de organismos mais desenvolvidos (quando um vírus nos infecta, nós, seres humanos, simplesmente servimos como sua máquina de reprodução). É nessa coincidência dos opostos – elementar e parasitária – que reside o mistério dos vírus: eles são um caso do que Schelling chamou de “der nie aufhebbare Rest, um resto da forma de vida mais baixa que surge como um produto do mau funcionamento de mecanismos superiores de multiplicação e continua a assombrá-los (infectá-los), um resto que nunca pode ser reintegrado como o momento subordinado de um maior nível de vida.

Aqui encontramos o que Hegel chama de “julgamento especulativo”, uma asserção da identidade do mais alto e do mais baixo. O exemplo mais conhecido de Hegel é “O espírito é um osso” em sua análise da frenologia na Fenomenologia do Espírito, e nosso exemplo deve ser “O espírito é um vírus”. O espírito humano também não é algum tipo de vírus que parasita o animal humano, explora-o para sua própria reprodução e, às vezes, ameaça destruí-lo? E, na medida em que o meio do espírito é a linguagem, não devemos esquecer que, em seu nível mais elementar, a linguagem também é algo mecânico, existem regras que precisamos aprender e seguir.

Richard Dawkins afirmou que os memes são os “vírus da mente”, entidades parasitárias que “colonizam” a mente humana, usando-a como um meio de se multiplicar. É uma ideia cujo criador não era outro senão Leo Tolstoi. Tolstoi é geralmente visto como um autor muito menos interessante que Dostoievski – um realista irremediavelmente desatualizado para quem basicamente não há lugar na modernidade, em contraste com a angústia existencial de Dostoievski. Talvez, no entanto, tenha chegado a hora de reabilitar completamente Tolstoi, sua única teoria da arte e da humanidade em geral, na qual encontramos ecos da noção de memes de Dawkins. “Uma pessoa é um hominídeo com um cérebro infectado, hospeda milhões de simbiontes culturais, e os principais facilitadores desses são os sistemas simbiontes conhecidos como idiomas” [2]– essa passagem de Dennett não é Tolstói puro? A categoria básica da antropologia de Tolstoi é a infecção: um sujeito humano é um meio vazio passivo infectado por elementos culturais carregados de afetos que, como bacilos contagiosos, se espalham de um indivíduo para outro. E Tolstoi vai até o fim: ele não opõe a essa disseminação de infecções afetivas uma verdadeira autonomia espiritual; ele não propõe uma visão heroica de educar-se para ser um sujeito ético autônomo maduro, como forma de se livrar de bacilos infecciosos. A única luta é a luta entre boas e más infecções: o próprio cristianismo é uma infecção – para Tolstoi –  boa.

Talvez seja a coisa mais perturbadora que podemos aprender com a epidemia viral em andamento: quando a natureza nos ataca com vírus, está, de certa forma, nos enviando nossa própria mensagem de volta. A mensagem é: o que você fez comigo agora estou fazendo com você.


Autor: Slavoj Žižek
Publicado tem: 16 de março de 2020
Original: https://thephilosophicalsalon.com/monitor-and-punish-yes-please/
Tradução: Leonardo Mendonça
Revisão: Felipe Aiello